Widget Image
Secretarias
13/07/2020
HomePromoção SocialItu tem ação para orientar e conscientizar sobre a violência contra a mulher

Itu tem ação para orientar e conscientizar sobre a violência contra a mulher

Com o objetivo de orientar, conscientizar e informar a população feminina sobre o problema da violência contra a mulher, a Prefeitura de Itu, por meio da Secretaria Municipal de Promoção e Desenvolvimento Social (Semprodes), e o Conselho Municipal dos Direitos da Mulher Ituana (CMDMI) realizaram nesta quarta-feira (11/03) uma ação na Praça Dom Pedro I, no centro da cidade. Estiveram presentes ao evento, entre outras autoridades, a primeira-dama Patrícia Müller Gazzola, o secretário da referida pasta, César Benedito Calixto, e a presidente do CMDMI, Alzira Aparecida Guimarães de Paula.
Os organizadores do evento divulgaram como proceder e quais locais procurar caso a mulher seja vítima desse tipo de violência, cujos casos aumentam diariamente em todo o Brasil. Alzira comentou que um instrumental foi desenvolvido e será aplicado em diversos equipamentos sociais para que seja possível ter uma amostragem de dados da real situação desse problema em Itu e, então, buscar ampliação de políticas públicas de atendimento à mulher.
Um fluxograma está sendo desenvolvido para orientar quais locais a mulher, vítima de violência, deve procurar para obter ajuda e, consequentemente, amparo aos familiares considerando que normalmente também estão envolvidos crianças e ou idosos nesse tipo de caso. O Conselho Municipal dos Direitos da Mulher Ituana também está elaborando um cronograma de reuniões em associações de bairros, para promover esse trabalho de orientação e conscientização do problema da violência contra a mulher.
A ação contou ainda com a participação de técnicos e usuários dos Centros de Referência de Assistência Social (Cras), Centro de Referência Especializado de Assistência Social (Creas), unidades do Centro Dia do Idoso, Programa Conexão Jovem e Centro Pop – todos equipamentos vinculados à Secretaria Municipal de Promoção e Desenvolvimento Social -, de conselheiros do CMDMI e membros da ONG Não posso me calar.