Widget Image
Secretarias
24/09/2020
HomeSaúdePacientes não retiram medicamentos e Itu devolve lote de mais de R$ 2 milhões ao Estado

Pacientes não retiram medicamentos e Itu devolve lote de mais de R$ 2 milhões ao Estado

Aproximadamente 8.160 itens da Farmácia de Alto Custo (Componente Especializado da Assistência Farmacêutica) foram devolvidos ao Governo do Estado pela Secretaria de Saúde de Itu, neste mês de junho, o que representa um montante de mais de R$ 2 milhões. Essa devolução ocorreu porque 242 dos 2.238 pacientes cadastrados no programa não fizeram a retirada dos medicamentos e colírios no prazo estipulado.

A Farmácia de Alto Custo, como o programa é conhecido popularmente, é de responsabilidade do governo estadual. Cabe à Prefeitura a retirada dos itens em Sorocaba, município ao qual está vinculada, e disponibilizar funcionários e espaço físico para a entrega dos itens. Todo o trâmite e prazos do programa são determinados pelo Estado. Caso o paciente ou responsável não retire o item na data indicada, ao final do expediente a Prefeitura comunica o Estado, que autorizará ou não um novo dia para a entrega.

“A equipe da Secretaria de Saúde de Itu orienta os pacientes a respeitarem a data de retirada do medicamento ou colírio, a fim de evitar que o tratamento seja prejudicado. Há medicamento na listagem da Farmácia de Alto Custo que custa R$ 8 mil e, às vezes, pela perda do prazo de entrega, o tratamento é interrompido por um mês. Enquanto Secretaria, temos que respeitar as normas de devolução estabelecidas pelo Governo do Estado”, esclarece a secretária municipal de Saúde, Janaina Guerino de Camargo.

Nos casos em que o paciente comparece para a retirada e o item não está disponível é porque o Estado não realizou a entrega. Então, uma nova data é agendada de acordo com a previsão de entrega dada pelo Estado. No entanto, dados da Secretaria de Itu registram que cerca de 50% dos pacientes não retornam à unidade para a segunda retirada e, seguindo as normas, o item é devolvido ao Estado. Existe um transtorno operacional, mas o maior prejuízo é do próprio paciente.